quarta-feira, 2 de setembro de 2009

BIOGRAFIA DE TOBIAS BARRETO DE MENEZES



Tobias Barreto de Menezes nasceu em Campos, em 1839. Aprendeu as primeiras letras com o professor Manuel Joaquim de Oliveira Campos e estudou latim com o padre Domingos Quirino e aos 15 anos ensinou a matéria em Itabaiana. Em 1861 seguiu para a Bahia com a intenção de frequentar um seminário, mas foi expulso por boemia e indisciplina.
Para ocupar o tempo entrega-se com afinco a leitura dos evolucionistas estrangeiros, sobretudo o alemão Ernest Haeckel, que se tornaria um dos mais famosos cientistas da época com seus livros "Os Enigmas do Universo" e "As Maravilhas da Vida".
No campo das produções poéticas, Tobias Barreto passou a competir com o poeta baiano Antônio de Castro Alves. Os dois faziam parte da chamada corrente condoreira da última etapa do Romantismo.
Na oratória, Tobias se revela um mestre, qualquer que fosse o tema escolhido para debate. O estudo da Filosofia empolgava o sergipano que nos jornais universitários publicou "Tomás de Aquino", "Teologia e Teodicéia não são ciências", "Jules Simon", etc.
Ainda antes de concluir o curso de Direito, casou-se com a filha de um Coronel do interior, proprietário de engenhos no município de Escada, em Recife. Eleito para a Assembléia Provincial, não conseguiu progredir na política local.
A residência em Escada durou cerca de dez anos. Ao voltar ao Recife, aos escassos proventos que recebia, juntaram-se os problemas de saúde que acabaram por impedi-lo de sair de casa.
Tentou uma viagem à Europa para restabelecer-se fisicamente, mas não tinha recursos financeiros para isso. Em 1889 estava desesperado. Uma semana antes de morrer enviou uma carta a Silvio Romero solicitando que lhe enviasse o dinheiro. Sete dias mais tarde falecia, hospedado na casa de um amigo.

Suas "Obras Completas", editadas pelo Instituto Nacional do Livro, incluem os seguintes título: "Ensaios e Estudos de Filosofia e Crítica", 1875. "Brasilien, wie es ist", 1876. "Ensaio de pré-história da literatura alemã". "Filosofia e Crítica". "Estudos Alemães", 1879. "Dias e Noites", 1881. "Polêmicas", 1901. "Discursos", 1887. "Menores e Loucos", 1884.


fonte:www.pmtb.com.br
postagem: Luan Costa

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário